Tomates San Marzano… Conhece?

Hoje, a caminho de casa, decidimos ser, como diz nossa amiga Claudia (Gorda) “subversivos”! Fomos direto a uma pizzaria perto de casa.
Dessa vez, optamos por pedir uma pizza meia uma velha conhecida, a “Supreme” e meia de uma que se chamava “Vesúvio”. O que me chamou a atenção na segunda foram os ingredientes: Tomates San Marzano DOP, mozzarella fresca, salame genovês, salame italiano picante, alho fresco, azeitonas Kalamata, queijo Asiago, orégano fresco e cebola roxa.
A Supreme ficou apagada comparada a Vesúvio. A combinação de ingredientes não poderia ter sido melhor, e o equilíbrio entre eles estava perfeito.
Depois de devorarmos a pizza inteira, não resisti e chamei a simpática atendente para primeiramente dizer o quanto havíamos apreciado a Vesúvio, e também para passar os ingredientes dessa pizza maravilhosa em revista.
Ela repetiu a lista ressaltando o fato de os tomates serem de DOP: “Denominazione di Origine Protetta”, ou em Português, Denominação de Origem Protegida. A DOP é a indicação geográfica definida na legislação da União Europeia para proteger a nomenclatura das cozinhas e produtos regionais. Essa lei certifica que apenas os produtos que são verdadeiramente de um determinado lugar podem ser comercializados com o seu nome.  Um caso bem famoso e típico é o “Champagne”. Somente os vinhos espumantes produzidos na região de Champagne, na França, podem ser chamados dessa maneira. Os demais são espumantes, frizantes, “sparkling wine” e assim por diante.
Eu como bom curioso, quis isolar o sabor daquele tomate, especialmente depois de tanta propaganda. Perguntei a atendente se ela conseguiria um pouquinho do molho para que eu pudesse provar. Ela disse que não haveria problema. Voltou com um pouco do molho em um potinho e o provei em seguida. Juntamente com o molho, veio o pizzaiolo rechonchudo com uma lata dos famosos tomates e nos deu uma super explicação sobre o San Marzano:
“Ele é originário da região homônima, que fica no sopé do Vesúvio, vulcão localizado no Golfo de Nápoles, e nas colinas das montanhas Latteri, ambos na Itália”.
Segundo nosso amigo pizzaiolo rechonchudo, esse tomate é mais fino e comprido, a pele dele é mais fina, é mais doce e menos ácido que os demais e tem mais carne e menos sementes.  Disse também que é considerado o único tomate que pode ser utilizado na “Vera Pizza Napoletana”, a verdadeira pizza Napolitana.
Perguntei se eles adicionavam algum tipo de tempero ao molho, e ele respondeu que o único que adicionavam era sal marinho.
Minha opinião? MARAVILHOSO! Ele é realmente mais “docinho” que os demais tomates aos quais estamos acostumados. Mesmo quando comparados aos “italianos“ que compramos no supermercado, que são de melhor qualidade e menos ácidos.
Numa pizza ele fará muita diferença, especialmente se você for fazer uma pizza artesanal, com cuidado e olhar especial quanto a qualidade dos ingredientes.
Pelo fato de serem DOP, provavelmente pagaremos mais caro por isso. Mas, em tempos onde temos muita oferta de produtos importados, é possível encontrar preços acessíveis.
Que tal se permitir uma dessas “subversões”?
Até a próxima!

Comments

    • Vavo Krieck Author

      Ney, a gente tem que ser bem curioso e perguntar mesmo, sem pudores!
      Nessa mesma linha, a gente encontra muitos produtos de qualidade infinitamente melhor, e que nem sabiamos da existencia!
      Obrigado pelo reply!
      Vavo Krieck

  1. Hérica

    Hmm…me lembrei de um tipo de tomatinhos chamados “tomate uva” ou “sweet grape” aqui no Brasil, que são tipo o tomate cereja, mas doces. Adoro, compro sempre pra adicionar às minhas saladas.

Leave a Reply